Estacas Raiz
 

 

 

A técnica executiva normalmente empregada é a seguinte:

 
 

 

1. Perfuração do solo com sonda rotativa, ou rotopercussivo, com inclinação, diâmetros e comprimentos de projeto.

 

2. Preenchimento da perfuração (revestida ou não) com calda de cimento.

 

3. Colocação dos cabos de ancoragem junto com os tubos de injeção, preparados normalmente na obra.

4. Injeções de nata de cimento, a pressões controladas, na parte mais profunda da

 

 

 

 

 

ancoragem, chamada bulbo, para cimentar e criar no solo a devida resistência.

 

5. Colocação da cabeça de protensão.

 

6. Protensão dos cabos ou monobarras dos tirantes com macacos hidráulicos até a carga de projeto.

 

7. Caso necessário, pode-se providenciar novas protensões para compensar eventuais recalques do terreno em volta da área ativa.

 
 

Os tirantes podem ser provisórios ou definitivos, sendo o grande problema destes
últimos a corrosão.

 

Cuidados especiais devem ser adotados, entre os quais a proteção com pinturas
anti-corrosivas.

 

 

 
Tirantes de fios ou cordoalha